Patrimônio e o futuro da autenticidade

Chiara Bortolotto, « Patrimônio e o futuro da autenticidade », Revista do Patrimonio, 2017, 36 : 23-37 [on line : http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/revpat_36.pdf]

Concebido historicamente como objeto de preservação, cujo monumento é o exemplo paradigmático, o patrimônio é doravante definido como um recurso dinâmico constantemente recriado em que o imperativo da transmissão do vivo faz do futuro o tempo forte do patrimônio. Essa transformação coloca à prova os princípios fundadores da instituição patrimonial, em primeiro lugar a noção de autenticidade. Dentre as inúmeras implicações da instituição do Patrimônio cultural imaterial (PCI) para pensar o futuro do patrimônio, a eliminação da autenticidade como critério para a identificação do patrimônio abre, assim, perspectivas inéditas que colocam um grande desafio à retórica patrimonial autorizada, ao introduzir novas ambiguidades. Baseado em uma etnografia da implementação da Convenção para a salvaguarda do patrimônio cultural imaterial (UNESCO, 2003), este artigo apresenta controvérsias surgidas em torno da noção proscrita de autenticidade, tanto no cenário internacional quanto em escalas nacionais e locais. Essas controvérsias permitem apreender, de modo situado, o problema da transformação em direção a um novo paradigma de patrimonialização em que o ideal de perenização é substituído por um imperativo moral de durabilidade que afasta o patrimônio do reino da conservação do passado e aproxima as questões patrimoniais àquelas da sobrevivência ecológica. Essa mudança tem efeitos sob o plano operacional da governança do patrimônio, pois implica novas abordagens para a sua gestão. Ela tem também um interesse antropológico mais geral, porque o questionamento dos princípios fundadores da instituição patrimonial ilustra a evolução de nossos modos de utilizar a cultura.