12 COM Jeju Island, Republic of Korea

During the twelfth session of the Intergovernmental Committee for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage 39 elements have been inscribed on the Unesco Lists. The inscription of the “Art of Neapolitan ‘Pizzaiuolo’” on the Representative List generated considerable media attention. Some members of the “community” were present at the meeting in Korea. Representatives of the Associazione pizzaiuoli napoletani and Associazione verace pizza napoletana included some of the Australian, Japanese and Korean members of these associations.

 

NGO Capacity Building Workshop

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Jeju, Korea 1-3 December 2017

NGOs accredited to the ICH Convention build their capacities in the field of ICH safeguarding. For three days they have been engaging in brainstorming, role plays, presentations, film screenings, world cafe….

Fully aware of the growing role they play in the Convention, they reflected on their relationship to states and “communities”, on their roles in the implementation of the Convention and on the dilemmas of wearing different hats.

Patrimônio e o futuro da autenticidade

Chiara Bortolotto, « Patrimônio e o futuro da autenticidade », Revista do Patrimonio, 2017, 36 : 23-37 [on line : http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/revpat_36.pdf]

Concebido historicamente como objeto de preservação, cujo monumento é o exemplo paradigmático, o patrimônio é doravante definido como um recurso dinâmico constantemente recriado em que o imperativo da transmissão do vivo faz do futuro o tempo forte do patrimônio. Essa transformação coloca à prova os princípios fundadores da instituição patrimonial, em primeiro lugar a noção de autenticidade. Dentre as inúmeras implicações da instituição do Patrimônio cultural imaterial (PCI) para pensar o futuro do patrimônio, a eliminação da autenticidade como critério para a identificação do patrimônio abre, assim, perspectivas inéditas que colocam um grande desafio à retórica patrimonial autorizada, ao introduzir novas ambiguidades. Baseado em uma etnografia da implementação da Convenção para a salvaguarda do patrimônio cultural imaterial (UNESCO, 2003), este artigo apresenta controvérsias surgidas em torno da noção proscrita de autenticidade, tanto no cenário internacional quanto em escalas nacionais e locais. Essas controvérsias permitem apreender, de modo situado, o problema da transformação em direção a um novo paradigma de patrimonialização em que o ideal de perenização é substituído por um imperativo moral de durabilidade que afasta o patrimônio do reino da conservação do passado e aproxima as questões patrimoniais àquelas da sobrevivência ecológica. Essa mudança tem efeitos sob o plano operacional da governança do patrimônio, pois implica novas abordagens para a sua gestão. Ela tem também um interesse antropológico mais geral, porque o questionamento dos princípios fundadores da instituição patrimonial ilustra a evolução de nossos modos de utilizar a cultura.